Maraty anuncia Ritchie, Renato Teixeira, Dona Onete e outras atrações nacionais

O MARATY, festival internacional que trará shows, filmes e workshops para a cidade histórica de Paraty (RJ) entre 14 e 16 de junho, anuncia suas primeiras atrações nacionais: no grande palco montado na Praia do Pontal, ao lado do Centro Histórico de Paraty, se apresentarão Ritchie, Renato Teixeira, Dona Onete, Terno Rei e Trio Mocotó.

O festival também revela a artista brasileira homenageada na edição de estreia: ninguém menos que Elis Regina! A genial cantora será celebrada com um debate sobre sua vida e obra e a exibição do documentário “Elis e Tom, Só Tinha de Ser com Você”, que narra a produção do álbum clássico, que completa 50 anos em 2024.

Além disso, o festival será aberto, na noite de sexta-feira, 14 de junho, com um show especial em tributo a Elis, concebido e dirigido pelo produtor musical João Marcello Bôscoli, filho da cantora.

Ritchie, Renato Teixeira, Dona Onete, Terno Rei e Trio Mocotó se juntarão a outros nomes nacionais, e a pelo menos duas atrações internacionais, que serão anunciados nas próximas semanas.

OS ARTISTAS

Ritchie – Ícone do synthpop nacional, está atualmente em turnê em teatros lotados com o show “A Vida Tem Dessas Coisas”, celebrando 40 anos do lançamento do clássico LP “Voo de Coração”.

Renato Teixeira – Um dos maiores nomes da música de raiz no Brasil, um cantor-compositor com mais de 50 anos de carreira e uma infinidade de sucessos gravados por ele próprio e por nomes como Elis Regina (“Romaria”) e Maria Bethânia (“Tocando em Frente”), além de discos feitos em parceria com amigos como Almir Sater e Sérgio Reis.

Dona Onete – Ela tem uma história de vida incrível: professora de História e especialista na cultura paraense, foi Secretária de Cultura do município de Igarapé-Miri antes de ser descoberta como cantora aos 62 anos de idade. Hoje, prestes a completar 85, é considerada a Rainha do Carimbó do Pará.

Terno Rei – Celebrada banda paulistana que vem ganhando um imenso público com seu indie rock denso e emocionante. Seu mais recente LP, “Gêmeos” (2022), foi escolhido como um dos melhores trabalhos do ano pela APCA (Associação Paulista dos Críticos de Arte).

Trio Mocotó – No fim dos anos 1960, eles ajudaram Jorge Ben a inventar o samba-rock e foram a banda de apoio do Babulina. Em 2023, depois de uma separação de 14 anos, João Parahyba, Nereu e Skowa se reuniram num show histórico, que marcou a volta do grupo.

SOBRE O MARATY

A cidade histórica de Paraty receberá um novo festival de música livre – totalmente gratuito, democrático e inclusivo –, dedicado a estimular o amor à cultura e a valorização da música de qualidade, independentemente de gênero. Com curadoria do produtor musical João Marcello Bôscoli e do jornalista André Barcinski e produção de Leandro Carbonato, o festival MARATY será realizado de 14 a 16 de junho de 2024, com atrações em diversos pontos da cidade: shows, debates, workshops e exibição de filmes sobre música. A organização do evento também conta com Carlos Pitchu na direção de Marketing e Parcerias.

A proposta do MARATY é ser um evento imersivo e tranquilo, sem atrações simultâneas e que permita ao público prestigiar todos os artistas que se apresentarem no festival e participar de debates e workshops.

Na Praia do Pontal, ao lado do Centro Histórico, um grande palco terá shows nacionais e internacionais de artistas de diferentes estilos, do rock ao soul, do afrobeat ao eletrônico, do jazz de vanguarda à música de raiz. Um palco-balsa itinerante, montado especialmente para o evento, levará alguns dos artistas do festival para apresentações em comunidades de ilhas e regiões costeiras mais distantes da cidade.

No Cinema da Praça, uma mostra de documentários musicais celebrará grandes nomes da música brasileira, enquanto um espaço em frente à Igreja de Santa Rita promoverá debates sobre nossa música, com presença de artistas e pesquisadores musicais. Artistas do festival também participarão de ciclos de workshop com estudantes da rede pública de ensino e moradores da região.

“O festival tem muitas propriedades. Seu ritmo, cadência, exuberância natural e cuidadosa curadoria musical trazem as pessoas para perto, informando, divertindo e formando plateias”, afirma João Marcello Bôscoli, um dos curadores do evento.

A produção local do MARATY empregará moradoras e moradores da cidade, pessoas acostumadas a trabalhar em grandes eventos realizados na região. Pelo menos 80% da mão-de-obra do evento será local, e todos os serviços essenciais – palco, iluminação, som, estruturas de tendas – serão contratados de empresas de Paraty, beneficiando diretamente a economia da região.

“Paraty está muito contente com a presença do Maraty no calendário de 2024. A cidade vem se destacando por sua programação de eventos musicais, e agora recebemos mais um festival que vai agregar qualidade a nosso calendário. Seja bem-vindo, Maraty, que 2024 seja o primeiro ano de muitos, e que traga bons frutos à nossa economia local e à nossa cultura”, comemora Marcos Paulo (Paulino), secretário de Turismo da Prefeitura, que apoia o festival.

O secretário de Cultura de Paraty, José Sérgio Barros, acrescenta que “o MARATY nasce na perspectiva de um novo modelo de festival em Paraty, possibilitando o envolvimento de diversos setores culturais e envolvendo a cidade em sua construção, a expectativa é de um evento totalmente inclusivo e diverso.”

A escolha da cidade não foi por acaso. Quase equidistante de Rio de Janeiro e São Paulo e próxima do Vale do Paraíba, Paraty tem uma história rica e uma cultura singular, com a presença de quilombos, aldeias indígenas e grupos musicais e artísticos que preservam e celebram nossas raízes. A cidade respira cultura e pulsa história.

Além disso, Paraty fica numa das regiões mais bonitas do Brasil, com praias e ilhas paradisíacas. A infraestrutura turística é de excelência, com centenas de pousadas, hotéis e agências de turismo, que faz de Paraty uma cidade acostumada a receber bem pessoas do Brasil e do mundo.

“Moro em Paraty há 13 anos e frequento a cidade há 40. É uma alegria imensa fazer um festival que pretende beneficiar essa região que tanto amamos, trazendo música de qualidade de forma gratuita, realizando debates e workshops para a população local, e atraindo turistas que vão ajudar a economia local”, afirma o curador André Barcinski.